FAPS - dezembro 2020 - Evani Viotti

FAPS – Fórum de Atualização em Pesquisas Semióticas
Sexta-feira, 04/12/2020, 14h00. Encontro remoto: link no rodapé desta página. 

A semiose vista a partir das bordas das ciências da linguagem

por Evani Viotti (DL-FFLCH-USP)

 

No recente evento Abralin ao Vivo, um artigo de Brian D. Joseph voltou a ser bastante citado em várias conferências. Esse artigo sugeria, já em 1997, que a linguística deveria passar a levar em consideração aspectos da linguagem que têm sido considerados periféricos pelas teorias linguísticas majoritárias. O fato de esse artigo voltar à baila em 2020 indica que, até hoje, a linguística ainda se mostra resistente a rever algumas das ideias e métodos centrais sobre os quais ela tem se assentado desde seu nascimento. A descrição do grande número de línguas não indo-europeias existentes – como as línguas africanas, indígenas e as línguas de sinais – a partir dos traços que lhes são próprios, e não a partir de categorias presentes nas línguas indo-europeias; a análise de contextos de multilinguismo e contato de línguas que caracterizam talvez a maioria das sociedades humanas; a análise não avaliativa da língua produzida por pessoas adquirindo línguas estrangeiras, entre outros, são elementos que a linguística tem mantido, na melhor das hipóteses, em sua periferia  (Joseph 1997). O que eu gostaria de fazer aqui neste FAPS é sugerir a inclusão do estudo da semiose, entendida a partir de sua característica primeira que é a de ser um processo, como um dos itens que também tem sido mantido às margens das ciências da linguagem. Depois de apresentar alguns dos fatores que levaram essa visão de semiose a permanecer na periferia, faço uma reflexão, usando dados de interação comunicativa, sobre uma possível maneira de estudá-la como um evento – um processo online, que cria significação a partir da ação de um organismo vivo (muitas vezes, um ser humano) sobre o ambiente que o envolve. É a partir dessa visão que se torna possível mais bem entender a semiose como parte do mundo da vida (Lebenswelt) e como uma forma de vida (Lebensform). 

 


viottiGraduada em Direito (1978) e em Linguística (1986) pela Universidade de São Paulo, Evani Viotti tem doutorado em Linguística pela mesma universidade (1999), feito com bolsa do CNPq. Fez estágios de pós-doutoramento em Linguística na Universidade Estadual de Campinas (2000-2001) e na Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, ambos com bolsa da FAPESP. Atualmente é professora doutora da Universidade de São Paulo. Em 2015, foi professora convidada do Centro de Estudos Latino-Americanos e do Departamento de Linguística da Universidade de Chicago, para uma residência Tinker durante a primavera. Tem experiência na área de Teoria e Análise Linguística. Seu interesse principal no momento se insere na área de Epistemologia Linguística e tem por foco a investigação de fenômenos que emergem do processo semiótico em interações face-a-face. Em especial, destacam-se as relações entre língua e gesto nas línguas de sinais e nas línguas orais, e as relações sócio-históricas que constituem a ecologia de contacto em que se forma o português brasileiro.

 


Sexta-feira, 04 de dezembro de 2020 
Das 14h00 às 15h30
Encontro remoto via Google Meet. Clique aqui para inscrever-se e receber o link.

O encontro é aberto a todos os interessados.
 

 

< Retornar à página inicial do FAPS